Fazendo uma reflexão sobre as duas últimas semanas do segundo período, quando eu e os meus colegas ficámos impossibilitados de ir à escola, percebi que a presença do professor é indispensável para nos transmitir o conhecimento e para nós percebermos os conteúdos. Mas a escola não é apenas um espaço de aprendizagem, é também um tempo de aprendizagem. O nosso dia-a-dia organiza-se segundo o horário escolar, com o seu carrocel de disciplinas, com os seus intervalos e horas de almoço… Pode parecer esquisito aos olhos de muita gente, mas a verdade é que a escola é uma das minhas paixões. Desde pequena que adoro a escola, se calhar por influência de alguns dos meus familiares, que estão sempre a dizer-me que é um privilégio eu poder ir à escola, pois no tempo deles tinham de trabalhar para ajudar a sustentar a família. Felizmente, nos tempos de hoje, a escola é obrigatória até aos dezoito anos de idade. Mesmo sendo um privilégio que os alunos têm, a maioria detesta a escola e acha que não lhes vale de nada estudar. Mas eu gosto de aprender, de estudar, de ser posta à prova e de ser reconhecida pelos meus professores. Quando for grande, quero licenciar-me e, para isso, é preciso trabalhar muito.

Este é um sonho que tenho, mas há um sonho que me tem…

Sonho ser atriz. Acredito muito nesse sonho e não o abandono. Há dois meses, inscrevi-me na secção de expressão dramática da União de Músicos de Mira para ter aulas e ganhar experiência. Quando íamos começar os castings para o espetáculo deste ano, apareceu um vírus que nos obrigou a ficar em isolamento. As aulas foram canceladas. Deixei de praticar. Até quando? Será que vou conseguir continuar a acreditar no meu sonho de ser atriz? Aquele sonho acreditou em mim, acreditou que o posso realizar, e é por isso que é meu. Devo abandoná-lo? ou devo estimá-lo? Se o sonho acredita em mim, como posso não acreditar nele? Pois bem, vou continuar a lutar pelo meu sonho, vou torná-lo mais forte do que tudo.

Lembremo-nos do verso do poeta “O sonho comanda a vida”!

 

Texto da Autoria de Sofia Inês Lavrador Castelhano, 12 anos, para o Sonhadorismo