Quis o acaso, bem… na realidade nunca acredito que seja mesmo por acaso, que uma grande amiga minha me desafiasse para escrever sobre falhar, ao mesmo tempo que me cruzava com alguns textos e pensamentos sobre esse tema.
O primeiro passo foi tentar encontrar na minha vida pessoal e profissional situações de falhanço. Se na vida pessoal são algumas as vezes em que considero que falhei, tive mais dificuldade em contextualizar situações de falhanço a nível profissional….. Não sendo este o objeto inicial da minha reflexão sobre falhanço, deixou-me a pensar no porquê desta situação.
Cheguei então á conclusão de que embora lute e persiga uma vida integral, na qual  todos os quadrantes sejam tidos em conta de igual forma (ver post Dia 20 – Encontra o TEU Equilíbrio), a verdade é que tendemos sempre a negligenciar o interior em favorecimento do exterior e eu pelos vistos não sou exceção. Daí talvez “preparar” melhor os meus projetos profissionais do que os pessoais…….
E a razão pela qual nunca senti que tenha falhado verdadeiramente, é porque considero que não dar certo é diferente de falhar! Nós só falhamos se aquilo a que nos propusermos alcançar não nos levar a outros caminhos, a novas descobertas ou se daí não retirarmos nenhum ensinamento.
Obviamente que houve projetos nos quais me envolvi, que não deram certo, mas sempre me abriram novos horizointes ou me permitiram retirar enormes ensinamentos, que mais tarde pude aplicar.
A frase cliché de que a seguir a uma falhanço devemos tentar de novo,  não é coragem, é estupidez! Se algo não deu certo é porque algo fizemos de errado e antes de recomeçar, há que refletir e aprender.
Pema Chodron, monja Budista e autora de vários best sellers, lançou ontem, dia 1 de Setembro, um livro intitulado Fail, Fail Again,Fail Better, no qual refere que  uma das mais importantes atitudes perante o falhanço é a curiosidade.  Seth Godin outro reconhecido autor, acrescenta ainda que  o “escape” de após falharmos seguirmos em frente evitando as críticas e o sentimento de culpa, só nos protege de uma coisa….. de termos sucesso.
Devemos ser curiosos com o porquê de termos falhado, com os sentimentos que essa situação nos causou, vulnerabilidade, sentimento de culpa, falta de confiança…. Só explorando esses sentimentos podemos “crescer” e voltar a tentar. Desta vez mais fortes, mais capazes e aí teremos sempre a sensação de que nunca falhámos por completo!

#KeepDreaming