Faleceu o José Mário Branco!

Há pessoas que estão sempre presentes no nosso imaginário. Talvez por isso nos tornemos preguiçosos para saber mais sobre elas, para conhecer mais do seu trabalho, como se no inconsciente soubéssemos, que algum dia alguém fará isso por nós.

Felizmente alguém o fez. Neste caso foi Nuno Galopim, através do Documentário “Inquietação” sobre José Mário Branco.

Assistindo ao documentário, a cada minuto passado, senti-me a mirrar. A cada minuto de eloquência, de bravura, de grandeza, de humildade, eu mirrava, encolhia-me, envergonhava-me.

Que pequeninos somos nós perante Homens como José Mário Branco. José Mário Branco sempre teve uma causa. Nunca a abandonou, nunca se vendeu. Mesmo quando isso significou deixar de fazer aquilo que mais gostava. Cantar em público. “No estado em que esta porcaria está não sei o que hei de dizer. Não me sinto bem a cantar as coisas do costume”, disse recentemente numa entrevista.

José Mario Branco pertence aqueles que decidiram estar na vida ao serviço de uma causa …. a Liberdade! Não só a liberdade do 25 de Abril. A liberdade se ser-se verdadeiramente livre para fazer o que acreditamos sem certo, sem qualquer tipo de reservas.
Nessa entrevista JMB confidencia que após o 25 de Abril fez Lisboa – Porto em dois anos mais de 700 vezes para cantar em todo e qualquer lugar onde lhe pedissem para fazer, sem nada receber em troca a não ser o prazer de ser ele próprio a viver pelo que acreditava. “Isto no tempo em que não havia auto-estradas ou Alfa-Pendulares. Íamos em carros de amigos, no foguete da noite a dormir no chão, á boleia… uma loucura!!

Assim são os verdadeiros sonhadores.

E nós aqui …. Atordoados, adormecidos, anestesiados pelos ópios da sociedade, como a Tv ou as Redes Sociais. Escravos dos créditos para as casas e carros que nada mais nos dão que a privação de liberdade.

Fala-se muito hoje em persistência, dizem que é uma soft skill essencial para os desafios do século XXI. Não duvido que os mesmos que nos tentam convencer de que não há alternativa à ditadura desumana capitalista, nos queiram persistentes e sobretudo obedientes, mas eu cá prefiro Resistir a Persistir. Pois como disse José Mário Branco … “Resistir é Viver!!

Texto da Autoria de Rui Loureiro Mentor do Projeto Sonhadorismo