HÑ poucos dias fui surpreendido por uma reportagem da SIC, sobre pessoas que vivem em tendas em Lisboa. Mais precisamente junto à praia de Carcavelos, na Quinta dos Ingleses numa zona de floresta, paredes meias com urbanizaçáes, colégios privados e uma das mais exclusivas faculdades do País a Nova Business School.

Inicialmente o tema não me suscitou de grande espanto. Volta e meia aparecem estas reportagens de pessoas que por infortúnios da vida resvalam para situaçáes de marginalidade e acabam a viver na rua.

A minha estupefação deu-se quando me apercebi que aquelas pessoas são pessoas com empregos. Pessoas que trabalham 8hrs (ou mais) diÑrias e não conseguem encontrar forma de pagar uma casa.

Enquanto pensava no quΓ£o triste Γ© haver um estado que legaliza ordenados que nΓ£o garantem Γ‘s pessoas um teto , surpreendeu-me a dignidade com que aquelas pessoas falavam da sua situação e mostravam o interior das suas tendas. NΓ£o se vislumbrava no rosto daquela gente, amargura, tristeza ou revolta. Antes um sentimento de orgulho e liberdade, por porventura terem encontrado uma forma de vida que lhes permite sentirem-se menos escravos do trabalho e nΓ£o sentirem o final do mΓͺs como uma guilhotina a beijar-lhes o pescoΓ§o.

Longe de mim romantizar a ideia de se viver numa tenda, ou de alguma forma aceitar que isto seja uma forma de vida digna, mas provavelmente agora o dinheiro jΓ‘ estica atΓ© ao final do mΓͺs, permitindo-se a pequenos β€œluxos” como um lanche numa pastelaria, um gelado ao fim de semana , um almoΓ§o em famΓ­lia, ou uma ida ao cinema.

Pelo menos o meu lado Sonhador quer acreditar que seja assim ….

 

Texto da Autoria de Rui Loureiro, Mentor do Sonhadorismo