“Levanta a Cabeça”!

Esta frase é dita muitas vezes como estímulo, para que consigamos seguir em frente em momentos menos bons da nossa vida. É uma frase que tem o seu momento próprio. Dita antes ou depois do seu timing, perde todo o poder. Dita antes, pode até ser ofensiva. Dita depois, soa a “cliché”.

Mas não é esse levantar de cabeça metafórico, que hoje me leva a escrever este texto. Escrevo-o pensando no seu sentido mais literal, observando o avassalador número de pessoas, que hoje em dia, passam a maior parte do seu tempo de cabeça baixa, com os olhos presos num ecrã de telemóvel.

Atenção que não sou contra os telemóveis, nem o uso dos mesmos, seja para que fim for. Seja para comunicarmos, para tirar fotos, ou simplesmente nos perdermos no voyeurismo das redes sociais. Mas que o façamos conscientes. Presentes que o estamos a fazer, para quando estivermos a ultrapassar o razoável, nos apercebamos e consigamos parar!

Baixar a cabeça está igualmente associado ao ato de subserviência e submissão. E sinceramente, não me ocorre hoje maior ato de submissão, perante o sistema que nos tenta a todos levar para o ralo, do que nos curvarmos perante o ecrã brilhante de um telemóvel.

#KeepDreaming

Texto da Autoria de Rui Loureiro Mentor do Projeto Sonhadorismo