Há uns meses atrás, assisti a um concerto dos Dead Combo e dei por mim a pensar… “Porra.. estes gajos são os maiores!”…. não que música deles seja fantástica, que por caso até é, mas essencialmente porque são autênticos, são genuínos. Podem ser o que querem. Podem usar umas cartolas, umas roupas extravagantes e fazer aquilo que amam, sem ter de dar cavaco a ninguém e ainda assim serem pagos e reconhecidos para isso.

Acredito no entanto, que essa sua genuinidade que hoje lhes é permitida e aplaudida, tenha sido em tempos um obstáculo e uma adversidade. O segredo esteve seguramente em manterem-se fiéis ao que acreditavam ser a sua autenticidade e não terem feito qualquer tipo de concessão, perante a sua música, estilo e maneira de ser.

Este é sem duvida o grande desafio dos nossos tempos. Diferenciar-mo-nos e sobreviver à chamada globalização, vencendo a voz do medo interior , o ruído julgamento de terceiros, a incerteza da diferença,  apostando  na nossa autenticidade e genuinidade, até que alguém um dia olhe para nós e pense … “porra … que gajo (a) do caraças”.

Texto da Autoria de Rui Loureiro Mentor do Projeto Sonhadorismo

#KeepDreaming