For English Version click Here

Em 2013 passados alguns meses da publicação de um texto meu no site TheInertia.com, decidi visitar a página onde o mesmo estava publicado. No fundo da página, estava um comentário ao texto que dizia “Beautifully written and so true! I had the similar feelings that you describe! thank you!”. Este comentário sensibilizou-me tanto, ao ponto de querer agradecer pessoalmente à pessoa que o tinha esxrito. Essa pessoa era Yana Kirakovskaya. Uma breve pesquisa no facebook bastou para encontrara a Yana e agradecer-lhe o comentário. Percebi também que a Yana desenvolvia um projeto muito semelhante ao Sonhadorismo. Daí ao convite para uma entrevista para o site foi um pequeno passo. Apesar de aceite o convite, a resposta demorou 5 anos :), durante os quais eu acompanhei a sua evolução e do seu projeto. Talvez 5 anos fosse mesmo o tempo necessário para hoje partilhar algo tão especial como a entrevista que se segue.

 

1. Quem é a Yana?

Yana : Yana é uma Russo Neozelandesa, uma cidadãodo mundo. Uma amante de cães, alma generosa, sonhadora, empreendedora, ativista, quinto elemento, sereia urbana que encontra a paz dançando livremente, sorrindo e brincando nos espaços públicos de uma cidade, ou flutuando sozinha em algum lugar no oceano. Eu sou uma contadora de histórias, performer, oradora , diretora de criação da Papaya Stories, um verdadeiro centro de inspiração. Acredito no poder transformador e curativo da narrativa envolvente e inspiradora, bem como na criação do movimento em que as pessoas possam apreciar o momento do NOW.

2. Há Alguns anos atrás decidiste deixar o teu trabalho, abraçando e desenvolvendo um projeto inspiracional “Papaya Stories”. O projeto é hoje em dia aquilo que imaginaste que seria quando o começaste? Fala-nos um pouco dessa aventura, os maiores obstáculos que tiveste de ultrapassar e o que é agora o Papaya Stories.

Yana : Obrigado. Talvez parecesse assim. Mas deixa-me dar-te uma visão mais verdadeira. Eu não larguei o meu trabalho imediatamente para começar o Papaya Stories.

Eu mudei-me da Rússia para a Nova Zelândia há 8 anos sem a intenção de ficar e começar tudo do zero. Mas quando terminei os meus estudos, decidi dar uma oportunidade, encontrar um emprego permanente que me permitisse ficar na Nova Zelândia e solicitar a residência kiwi. Foi nessa época que iniciei o Papaya Stories. Começou como uma necessidade de colocar cá fora toda a minha criatividade, enquanto eu trabalhava a tempo integral numa agência de marketing digital há 5 anos em Auckland, NZ. Eu trabalhava como gerente de contas, sendo a minha parte criativa negligenciada na maioria das vezes. Então eu precisava de algo mais para me manter criativamente ativa e satisfeita. Eu conheci muitas pessoas interessantes fora do trabalho, que partilhavam comigo as suas histórias inspiradoras. Comecei a escrever essas histórias no meu blog em russo e em pouco tempo, os meus amigos desafiaram-me a desenvolver uma plataforma onde pudesse escrever para ambas as audiências, russa e inglesa.

Foi assim que comecei o Papaya Stories. Ainda me lembro da primeira história que escrevi sobre o Brad Masters, o famoso fotógrafo de surf que conheci no avião quando viajei para Bali há 7 anos. Quando ele me contou sua história, eu não conseguia acreditar no que ouvia. Ele despediu-se com um sorriso e deu-me o seu número de telefone local. No dia seguinte comprei a minha revista de surf favorita (Surfer’s Path – entretanto deixada de publicar) e encontrei um artigo sobre ele, em que ele contava ao editor da revista, a sua história palavra por palavra. Foi quando percebi que não podia sair da ilha sem ver o Brad novamente e ouvir a história dele.

Desde então, senti que abri um chakra especial em mim, que me levou a conhecer muitos seres humanos comuns extraordinários, com quem tive a oportunidade de ter grandes conversas que moldaram a base para a plataforma online Papaya Stories. Apresentamos histórias sobre pessoas comuns com vidas extraordinárias, sonhos, objetivos, atitudes e projetos, para mostrar que cada um de nós é único e extraordinário quando começamos a seguir nossa viagem interior. Nós defendemos a Autenticidade, Criatividade, Diversidade, Crescimento, Saúde Mental, Potencial Interior e Bem-Estar.

Portanto, o Papaya Stories não é apenas uma plataforma online de storytelling, de entretenimento, eventos, uma agência de placemaking que inspira as pessoas a viverem ao máximo. É o meu lembrete pessoal do quanto cresci e transformei ao longo dos anos.

Histórias inspiradoras, juntamente com a fotografia de retrato, são o elemento chave da nossa plataforma. No entanto, como defendemos o crescimento pessoal, o auto desenvolvimento e acreditamos que cada um de nós pode mudar para melhor e seguir as nossas paixões, temos que fazer o Mahi (palavra maori). Temos que fazer o nosso trabalho, temos que investir em nós mesmos. Eu acredito que para mudar, temos que romper os padrões anteriores e tentar algo novo. É por isso que os diferentes elementos dos nossos eventos são tão cruciais para inspirar as pessoas a experimentar a magia, a alegria e a inspiração interna. E é  isso que eu não imaginaria que Papaya Stories fosse. Comecei como uma revista de estilo de vida online que agora também se tornou numa plataforma de entretenimento, onde organizamos eventos e experiências únicos, imersivos, interativos e inovadores que unem diversas pessoas para que possam aproveitar o momento do NOW . Sinta-se livre, solte-se, entre em contato com o verdadeiro eu, aquela criança interior que é cheia de amor, ALEGRIA, inspiração e criatividade.

Isso é o que eu mais de testemunhar durente os nossos eventos. A transformação de um ser humano que chegou ao evento reservado, humilde e que, eventualmente, se liberta, aceita-se a si mesmo e se torna real enquanto apenas está no momento. Proporcionar às pessoas uma plataforma / movimento / evento onde elas possam ser emocional e fisicamente livres é a melhor sensação do mundo. E é isso que estamos tentando fazer com o Papaya Stories. Uma das nossas mais recentes iniciativas é a experiência “A Silent Disco Citywalk”, que oferece uma nova perspectiva sobre a cidade, através da música que cada um ouve nos seus phones. É uma caminhada curativa e interativa que transforma a cidade em La-la-land e pista de dança, enquanto conecta as pessoas dentro do grupo.

O meu principal desafio  foi acreditar em mim mesma e como posso fazer do Papaya Stories a coisa número um da minha vida o que significa  torná-lo sustentável. Esse foi o maior desafio e conflito interno que tive que enfrentar. Eu estava com muuuuito medo de me vender, vender minhas ideias, vender Histórias que eu sentia que não estavam à venda É um projeto da minha alma. Como posso monetizar isso? Essa foi a minha pergunta por muito tempo e eu não conseguia encontrar uma forma de casar este lado prático e profissional com uma Yana criativa, apaixonada e inspiradora. Levei alguns bons anos (ainda estou no processo de descoberta) para descobrir o que precisava ser resolvido e o que eu precisava focar para libertar os meus bloqueios. Eu antes sentia que precisava de uma permissão externa para continuar. Levei um tempo para perceber que a única pessoa que me estava a limitar  a sair cá para fora e assumir quem eu era e no que acreditava, era eu mesma e o medo do fracasso, de não satisfazer a expectativa. Então, para poder desenvolverr o Papaya Stories,  tive que fazer muito trabalho interior.

Portanto, o Papaya Stories não é apenas uma plataforma online de storytelling, de entretenimento, eventos, uma agência de placemaking que inspira as pessoas a viverem ao máximo. É o meu lembrete pessoal do quanto cresci e transformei ao longo dos anos.

Também queremos entrar em novas medias para contar histórias usando podcasts e filmar pequenos documentários sobre pessoas que achamos inspiradoras.

 

3. Quando decidiste contar aos teus amigos e família sobre a decisão de seguir a tua intuição e apostar no desenvolvimento do Papaya Stories, alguma vez tive de responder à questão “ E como vais conseguir sustentar-te?”

Yana : Claro. Eles continuam a questionar e é normal, uma vez que vivemos num mundo materialista e às vezes é difícil para muitas pessoas, imaginar  que tu podes trabalhar de forma apaixonada e ganhar dinheiro decente. Eu tive muita sorte de ter  o meu companheiro dando-me algum apoio. No entanto, também sou freelancer como profissional de marketing digital, para poder ter um rendimento extra.

Mas, curiosamente, a vida literalmente me empurrou para seguir o meu caminho desconhecido. A vida ensinou-me, ao longo dos anos, a não ter medo de mergulhar no desconhecido e confiar no processo, deixar o controle e entregar-me ao fluxo natural das coisas, mantendo o foco e a intenção claros. Eu vivo o pior cenário no ano passado, quando fui recrutada pela Penguin Random House como gerente de campanha. Eu consegui o emprego e passado algumas semanas eu senti como se tivesse já atingido o cume. Eu não sentia que pertencesse ali, eu não senti que aquele era o meu lugar, apesar do fato de que a indústria era ótima (publicar livros, histórias de pessoas) mas o meu papel, e o ambiente também não eram os melhores e comecei a duvidar das minhas capacidades e visão.

Mal eu sabia que seria despedida e o meu contrato terminaria da forma mais desagradável. Mas estou a contar esta história não para que sintam pena de mim. Não. A razão é que essa situação fez-me perceber muito sobre mim mesma, muita coisa que antes não era visível para mim. Eu acredito que o que temos dentro é o que atraímos de fora. Então, enquanto atraía esse tipo de desrespeito profissional para comigo, percebi que tenho algum tipo de drama não resolvido que eu precisava focar para avançar em 2018.

 

4. O que mais te inspira?

Yana : Inspira-me a capacidade de mudar para crescer e tornar-me melhor pessoa.

Agora, quando penso sobre o meu maior medo, sei que o meu maior medo é não viver ao máximo, não ser fiel a mim mesmo e não tornar reais as minhas ideias mais loucas.

5. O que te faz verdadeiramente feliz?

Yana : Ser a criadora da minha vida, permanecendo no “flow” do caos, consciente de que o que procuramos está já dentro de nós. Uma vez que obtivermos essa REALização e sentirmos essa conexão com o nosso interior podemos irradiar pura felicidade.

 

6. Qual é a pessoa mais inspiradora que já conheceste nesta tua jornada?

Yana : Há tantas pessoas inspiradoras que partilharam fascinantes histórias e lições de vida comigo, que é difícil escolher apenas uma. Durante esta minha jornada de vida, tenho andado sempre de mãos e coração dados, com a minha querida alma-gêmea Katherine que conheci na Nova Zelândia, por isso eu a nomeio como a pessoa mais inspiradora da minha vida.

 

7. Qual o Teu Maior Medo?

 

O medo sempre foi uma parte da minha vida, paralisando-me, não me deixando dizer ou fazer o que queria.. Eu tinha tanto medo de tantas coisas na minha vida, que eu não acreditava ser possível começar a viver minha vida sem sentir tanta angustia no meu peito!

Durante a maior parte da minha vida, as decisões e comportamentos foram ditados pelo poder do medo, pelas baixas vibrações e não pela autoconfiança de que posso fazer o que quiser, porque tenho capacidades. O medo do fracasso, o medo de não atender às expectativas de todos, o medo de não ser amada por quem eu sou … eram sentimentos normais para mim.

Agora, quando penso sobre o meu maior medo, sei que o meu maior medo é não viver ao máximo, não ser fiel a mim mesmo e não tornar reais as minhas ideias mais loucas. Tenho medo de não dar tanto amor quanto o que gostaria às pessoas que realmente amo, pois encontro-me longe da Rússia. Eu só espero que os meus amigos e familiares saibam e possam sentir através do cosmos o quanto eu os amo.

 

8. O que te Faz Sentir Orgulhosa ?

Tenho orgulho de ter tornado os meus sonhos realidade. Desde os meus 13 anos que sonhava em viver perto do oceano. Eu não sabia como poderia acontecer ou como morar noutro país. Mas olhem para mim agora – eu vivo perto do oceano!!!

Eu mudei-me para a Nova Zelândia sem um plano ou intenção de ficar, mas fui-me apaixonando profundamente pelo país e entendendo que minha vontade de viajar para o exterior foi desencadeada pelo meu forte desejo de me reconectar e encontrar o meu eu verdadeiro. Vivendo no meu país de origem e estando cercada pelas mesmas pessoas, mesmas situações, desencadearia os mesmos padrões de comportamento, limitando a mudança.

A Nova Zelândia proporcionou-me o espaço (cenários mentais, emocionais) para que eu pudesse conhecer a pessoa mais importante da minha vida – o meu eu real, para poder começar a minha própria evolução para uma versão melhor de mim mesmo . Então o meu crescimento pessoal, evolução e jornada interior são aquilo que me deixa mais orgulhoso.

 

9. Se Tivesses a Oportunidade de Gritar Algo ao Mundo Seria….

Sê Aqui e Agora. Perdoa. Deixa Ir. Aprende a Ouvir e a Procurar a Tua Sabedoria Interior. Tu Nasceste Para Viver o Teu Maior Potencial.

 

10. Qual é o próximo grande sonho da Yana?!

You may say i am a dreamer, but i am not the only one…

Eu quero viver perto da praia com o homem que amo, um cão (talvez mais que um). Eu quero ter filhos e dar-lhes o meu maior amor, tempo e paciência. Eu quero ter o luxo de ter tempo para escolher projetos nos quais me apaixone trabalhar, de forma a decidir como passar o meu dia. Quero ser financeiramente independente, ter tempo, oportunidades fascinantes, amor, alegria, saúde e bem estar!

 

Fica a conhecer melhor o poder criativo e inspirador da Yana através da Webpage e Facebook Oficial do Papay Stories.